FRAIBURGO

16 outubro 2017

Desigualdade é Teimosia Social!

Desigualdade não é uma contingência ou um acidente qualquer. Também não é uma decorrência “natural” e “imutável” de um processo que não nos diz respeito. Ao contrário, ela é consequência de nossas escolhas – sociais, educacionais, políticas, culturais e institucionais – que têm resultado numa clara e crescente concentração dos benefícios públicos.

Nossa persistente desigualdade não provoca apenas a acumulação de renda nas mãos de um grupo limitado; faz com que a saúde e a educação de qualidade virem benefícios para poucos. Segundo dados colhidos pelo IBGE, em conjunto com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) – que analisaram as condições de vida dos brasileiros – a fatia da renda nacional apropriada pelos 10% mais ricos caiu nos últimos anos de 46% para 41%. No entanto, o pedaço dos 50% mais pobres cresceu de 14% para 18%.

Já as pesquisas de Marc Morgan Milá, um economista irlandês e discípulo de Thomas Piketty, indicam que os governos brasileiros, na prática, jamais optaram por enfrentar a desigualdade social no Brasil. Segundo o investigador, ela é maior do que se supunha, com uma imensa concentração de renda retida no topo da pirâmide social. Segundo a investigação, o grupo que representa os 10% mais ricos da nossa população acumula mais da metade da renda nacional. Dentre os anos de 2001 e 2015, essa fatia da população teria visto sua renda crescer de 54% para 55%.

Segundo os cálculos de Morgan, a renda apropriada pelos 50% mais pobres também subiu nos últimos anos; de 11% para 12% do total. No entanto, 40% da população brasileira encolheu sua renda de 34% para 32%.

O fato é que os novos estudos confirmam como o Brasil continua sendo um dos países mais desiguais do mundo. Assinalam também o alto grau de concentração econômica. Segundo dados da mesma pesquisa, o estrato mais rico da população, que corresponde a apenas 1% dos brasileiros, abocanha 28% da renda nacional. Realizando um paralelo com outros países, o pesquisador irlandês revelou como nos EUA as elites apreendem 20% da renda e, na França, 11%. E ainda: se na França a renda anual dos grupos que se encontram dentre os mais ricos é inferior a R$ 925 mil, no Brasil, a renda média anual desses setores chega a valores equivalentes a R$ 1 milhão.

Não sou economista, e apenas reproduzo parte destes dados com o objetivo e comprovar como o Brasil – passados quase 30 anos da promulgação da Constituição de 1988, que previu a distribuição da riqueza por intermédio da educação, da saúde, do saneamento – continua sendo um país muito injusto e desigual.

Mais ainda. O que uma série de investigações vêm evidenciando é como a carência no oferecimento de uma educação de base de qualidade tem a capacidade de aguçar a desigualdade e nossa intolerância social. Índices do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do DataFolha mostram que a sociedade brasileira, numa escala de zero a dez, atinge atualmente um índice de 8.1 na tendência a endossar posições mais autoritárias. Segundo Renato Sérgio de Lima, diretor presidente do FBSP, estamos diante de uma maioria que advoga o uso da violência como forma de governo, e, paradoxalmente, julga que essa seria a melhor maneira de “pacificar a sociedade numa espécie de vendeta moral e política”. E quanto menor o índice de escolaridade, maior a aposta em soluções autoritárias e pouco afeitas ao diálogo.

Todos esses dados parecem sinalizar que a resposta para a crise política, econômica, social e cultural em que nos encontramos, só poderá vir de um projeto de nação mais inclusivo e igualitário. A aposta numa formação educacional sólida, ampla e equânime é promessa de futuro  –  bem sei. Mas traz consigo um sopro de utopia que tem a capacidade de abalar o ceticismo que se abateu entre nós. A boa utopia de uma sociedade mais informada, leitora, crítica mas também capaz de dialogar.

A desigualdade deteriora a malha social e tem a capacidade de vilipendiar as nossas instituições republicanas. (Lilia Schwarcz - https://www.nexojornal.com.br/).

Um grande abraço a todos.

Ari

13 outubro 2017

Homem é libertado após passar 23 anos preso por erro nos EUA

Um homem de 41 anos condenado por duplo homicídio de forma equivocada foi libertado nesta sexta-feira de uma penitenciária do Kansas, no centro dos Estados Unidos, após passar 23 anos preso. Cercado por câmeras de TV e jornalistas, Lamonte McIntyre abraçou sua mãe pela primeira vez como um homem livre em 23 anos.

Lamonte McIntyre - Foto Google


A ONG Injustice Watch revelou que as primeiras palavras de McIntyre, um homem negro, foram "é lindo aqui fora". Ele foi condenado quando tinha apenas 17 anos com base em depoimentos de testemunhas que depois se retrataram.

O novo promotor encarregado do caso disse nesta sexta-feira que a informação coloca em xeque a identificação de McIntyre como o assassino. "À luz desta informação meu gabinete está pedindo à Corte que determine que existe uma injustiça manifesta", declarou o promotor do condado de Wyandotte, Mark Dupree.

A investigação original sobre o tiroteio, ocorrido em pleno dia, jamais estabeleceu um vínculo entre McIntyre e as vítimas, segundo o Washington Post. "Ocorreu uma investigação apressada e superficial", disse Innocence Project, que ajudou a libertar McIntyre, que sempre alegou inocência. (Claudério Augusto/Correio do Povo).

É para refletir sobre a nossa justiça.

Abraço a todos. 

12 outubro 2017

Pingos no "I"

Sr. Presidente: não sou “i” para ter pingos colocados. Pare de se vangloriar e faça seu trabalho. Sem agressões. O povo merece coisa melhor!

Você que é inteligente vai entender.

Um grande abraço e bom final de semana a todos.

Ari

09 outubro 2017

Apae Fraiburgo

Hoje tive a honra de conhecer a ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DE  DOS EXCEPCIONAIS - Apae de Fraiburgo.

Depois de 35 anos de atuação em Fraiburgo, acompanhado da funcionária pública federal Tatiane Bartolomeu, fui ver o que la se faz e me surpreendi. 

Vi muito trabalho e muita dedicação em prol de todos os alunos que lá são acolhidos diariamente, não importando a idade que possuem (de 0 ao infinito). Todos são tratados com dignidade e carinho.

Visita a Apae Fraiburgo

Instalações antigas, misturadas com construções modernas, fazem daquela instituição um lugar agradável para os mais de 150 alunos que ali transitam e ali se tratam.

A equipe de profissionais, comandada pela sua presidente Gizele Bahr Bul, é altamente qualificada e trabalha com a alegria estampada no rosto, num ambiente que às vezes é difícil de ficar imune aos casos mais sérios de crianças com dificuldades de mobilidade ou de comunicação. 
Presidente da Apae Fraiburgo: Gizele Bahr Bul e sua Filha
A Apae Fraiburgo é mantida com recursos da comunidade, somados com alguma verba pública, sempre insuficiente frente aos grandes problemas que a Associação enfrenta diariamente. Eu não sabia que para ajudar a manter aquela instituição, não precisa muita coisa para nós, os ditos pais e amigos ditos "normais". 

Para colaborar com esta instituição maravilhosa, basta fazer um simples cadastro pessoal e contribuir com aquilo que você quer e pode dispor. Você não vai se arrepender.

Um grande abraço a todos.

Ari

06 outubro 2017

Padre Rafael Araújo é o novo “POP STAR” do Brasil!

Por achar que é importante para a Igreja Católica de Fraiburgo e região, tomo a liberdade de reproduzir aqui, matéria publicada por Juciele Marta Baldissarelli, no Portal Terra da Maçã:

“No Brasil, Padres Famosos, cantam, palestram e lançam livros com record de público e vendas mesmo em meio a crise. São amigos de famosos, amados pela mídia e com seus carismas ajudam a atrair mais pessoas para a Igreja. Entre os Padres famosos temos o Padre Marcelo Rossi, o Padre Fábio de Melo, o Padre Antônio Maria, o Padre Alessandro Campos e agora o Padre Rafael Araújo que entre os demais é considerado o Padre mais jovem e mais bonito de todos os tempos. Padre Rafael tem atraído os olhares de toda imprensa que o indicam como o mais novo “POP STAR” do Brasil.

Conheça um pouco sobre o Padre Rafael Araújo:

Pe. Rafael Araújo - Pároco de Videira - Sc.
Rafael de Araújo (Curitiba, 25 de Maio 1985) é um padre católico, natural de Curitiba, capital do Paraná. Foi ordenado sacerdote aos 30 anos e atualmente é vigário da Paróquia Imaculada Conceição, em Videira – SC. Coordena a animação vocacional de sua província religiosa, os padres Salvatorianos em todo o país. Seu primeiro animador vocacional é o conhecido e carismático Padre Reginaldo Manzotti, do qual foi coroinha.

Padre Rafael teve a graça de servir ao Papa Francisco em Aparecida na abertura da Jornada Mundial da Juventude em 2013 ainda como diácono. Foi nesse momento que ficou conhecido por sua beleza, pois as redes sociais  fizeram a foto do na época Diácono Rafael se tornar viral por conta de sua beleza. Os trend topics mostraram que Rafael estava por todo Brasil nas hashtag  #diaconomaislindo #padrelindo #quepadrelindo e teve uma busca grande das pessoas interessadas em saber de quem era aquele rosto bonito no altar. Foi a partir dai que a popularidade do Padre Rafael aumentou e fez com que multidões fossem atrás dele, não apenas por sua beleza, mas por sua humildade e alegria em levar Jesus a todos de maneira leve e carinhosa.

Pelo seu dom de levar a “Palavra Divina” através dos e dos meios de comunicação, Padre Rafael é solicitado por diversos movimentos na Igreja para participar para a evangelização. Agora Padre Rafael Araújo junto de assessores de imprensa, se prepara para trazer novidades a todo Brasil que promete surpreender a todos!”.

Sucesso ao Padre Rafael e que ele possa, com seu dom e carisma, trazem muitas bênçãos ao nosso povo tão carente e necessitado.

Um grande abraço a todos

Ari